Quais as causas da queda de cabelo?

A queda de cabelo é uma queixa comum entre as mulheres: estima-se que 50% da população feminina tenha algum tipo de perda capilar perceptível ao longo da vida. Há diversos fatores – hormonais, genéticos, comportamentais e ambientais – que podem influenciar a queda de cabelo. Conheça os principais tipos de queda de cabelo e o que pode motivar cada um:

O que é a queda de cabelo e por que acontece?

Normalmente, em uma pessoa com padrão de queda de cabelo normal, é natural que haja a perda de aproximadamente 60 a 100 fios por dia. Isto porque o cabelo possui um ciclo de vida que passa pelas fases de crescimento, repouso e queda, sendo que 90% dos fios costumam estar na fase de crescimento.

Alguns fatores provocam alterações no ciclo de vida capilar, podendo desencadear maior queda de cabelo, que pode ser permanente ou temporária. São eles:

  • Estresse;
  • Falta de vitaminas;
  • Alterações hormonais, como o período pós-parto ou a menopausa;
  • Tratamentos medicamentosos, como a quimioterapia;
  • Pré-disposição genética;
  • Doenças autoimunes;
  • Perda de peso acentuada;
  • Tração capilar, causada pelo uso contínuo de penteados que puxam exageradamente os fios.

Causas da queda de cabelo – alopecia androgenética

Alopecia androgenética, ou calvície, é uma forma de queda de cabelos geneticamente determinada. É relativamente frequente na população. Homens e mulheres podem ser acometidos pelo problema, que apesar de se iniciar na adolescência, só é aparente após algum tempo, por volta dos 40 ou 50 anos.

Os primeiros sinais podem ser percebidos quando se formam regiões na cabeça que apresentam rareamento de fios, geralmente no topo e nas laterais. Este tipo de queda vai aos poucos afinando os fios do cabelo, fazendo com que eles nasçam cada vez mais finos, até chegar um momento no qual eles deixam de crescer.

Por que ocorre? A alopecia androgenética está relacionada a questões hereditárias. A pessoa com essa condição possui genes que fazem com que os folículos capilares, onde nascem os fios, se encolham e parem de nascer. Em pessoas com a predisposição genética, grandes mudanças hormonais – como a menopausa ou síndrome do ovário policístico – podem acentuar ainda mais a queda de cabelo.

É reversível? Por se tratar de um fator genético, não existe cura definitiva para a alopecia androgenética, mas é possível retardar a queda ou diminuir o ritmo. O diagnóstico precoce influencia diretamente no sucesso do tratamento.

Causas da queda de cabelo – alopecia areata

A alopecia areata é considerada uma doença autoimune, não contagiosa, que afeta os folículos capilares, provocando falhas no cabelo ou até mesmo a queda completa de todos os fios da cabeça.

Os sinais da alopecia areata costumam surgir principalmente na juventude, manifestando-se, em 60% dos casos, em pessoas de até 20 anos de idade. A queda causada é caracterizada por deixar falhas arredondadas, com a pele lisa e brilhante. Os cabelos ao redor saem facilmente, se puxados. Os cílios, sobrancelhas e outros pelos do corpo também podem ser atingidos.

Por que ocorre? Ainda não foram descobertas as causas exatas por trás da alopecia areata, mas especialistas acreditam que o sistema de defesa do corpo ataca os próprios folículos capilares, provocando uma inflamação e, consequentemente, a queda dos fios. Algumas pessoas com a doença também possuem outros problemas autoimunes, como vitiligo, lúpus eritematoso e distúrbios da tireoide.

É reversível? Em 50% dos casos, a alopecia areata costuma desaparecer espontaneamente após alguns meses de seu surgimento. Para controlar o avanço da doença e estimular o crescimento dos fios, o dermatologista pode prescrever medicamentos tópicos e corticoides.

Causas da queda de cabelo – eflúvio telógeno

O eflúvio telógeno é um tipo de queda de cabelo relacionado a eventos fisiológicos, como o aumento do estresse, tratamentos medicamentosos, falta de vitaminas, infecções, pós-parto, entre outros. Os especialistas costumam diferenciar o eflúvio telógeno em dois tipos: agudo e crônico.

Eflúvio telógeno agudo – a perda de fios ocorre por um período que vai de três a quatro meses e depois ela é cessada. 

Eflúvio telógeno crônico – assemelha-se à forma aguda, porém com ciclos mais contínuos, estando presente em pelo menos dois momentos do ano, durante um período cíclico de dois em dois anos.  A forma crônica deste tipo de queda de cabelo é associada geralmente a doenças autoimunes, sendo a tireoidite de Hashimoto a mais comum delas.

A manifestação mais comum do eflúvio telógeno é a percepção da queda acentuada de fios, geralmente após o banho, quando são encontrados tufos de cabelo no chão, ou até mesmo no travesseiro após uma noite de sono. Até 300 fios podem cair diariamente.

Por que ocorre? Os eventos fisiológicos relacionados ao eflúvio telógeno alteram o ciclo de vida do cabelo. Geralmente, as causas acontecem três meses antes da percepção da queda dos fios:

  • Pós-parto – durante a gravidez, o corpo produz mais estrogênio, hormônio que faz com que o cabelo permaneça na fase de crescimento, impedindo a queda. Alguns meses após o parto, os níveis de estrogênio diminuem e até 60% do cabelo que está na fase de crescimento pode entrar na fase de repouso. Com isso, a queda de cabelo adiada na gestação pode acontecer toda de uma vez. 
  • Estresse – como traumas emocionais, perda de uma pessoa querida, crises financeiras.
  • Traumas físicos – como passar por uma cirurgia, principalmente a bariátrica, perder peso repentinamente,sofrer um acidente.
  • Falta de nutrientes – como biotina, ferro, proteína e zinco.
  • Desequilíbrios hormonais – o excesso de hormônios masculinos no organismo pode desencadear uma série de sinais e sintomas, entre eles, a queda de cabelo. A síndrome dos ovários policísticos e alterações causadas por alguns anticoncepcionais são as principais causas.
  • Tratamento para câncer – como a quimioterapia e radioterapia na região da cabeça ou pescoço.

É reversível? Sim, o eflúvio telógeno é uma queda de cabelo temporária e pode ser revertida, quando a causa é diagnosticada e tratada.

Causas da queda de cabelo – alopecia por tração

A alopecia por tração é caracterizada pelo puxão contínuo do couro cabeludo. A perda de cabelo é percebida na região da linha capilar da testa, que apresenta fios mais curtos e ralos, podendo até ter pontos de pus.

Por que ocorre? A alopecia por tração é causada por penteados muito apertados, como o coque da bailarina, rabos de cavalo muito puxados para trás, tranças enraizadas, uso prolongado de apliques e escovação brusca.

É reversível? Em fases iniciais, quando há desconforto e feridas, ainda é possível tratar da alopecia de tração. Em estágios avançados, quando já há perda significativa de volume de cabelo, a queda é definitiva. Isso por causa da cicatriz nos folículos capilares.

Causas da queda de cabelo – tricotilomania

Tricotilomania é o nome dado ao distúrbio comportamental em que a pessoal sente um impulso de arrancar os próprios fios de cabelo ou até sobrancelha, cílios e barba. Muitas vezes, a atitude pode acontecer de forma automática, sem que a pessoa tenha consciência. Qualquer pessoa pode desenvolver esse distúrbio, mas a faixa etária mais incidente é entre os 10 e 13 anos de idade.

Por que ocorre? Não se sabe a causa exata da tricotilomania, mas o distúrbio está no mesmo espectro que o transtorno obsessivo compulsivo (TOC) e pode ter eventos emocionais estressores como gatilho.

É reversível? Se ainda não houve cicatrização dos folículos capilares, é possível que o cabelo cresça novamente. Mas é importante que seja feito um acompanhamento com psicólogo e psiquiatra, além do dermatologista, para entender os gatilhos da tricotilomania e evitar episódios de recidiva.

Referências

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade. Conheça nosso Portal da Privacidade e veja nossa Política.

OK